5 principais erros na construção de uma casa

Construir uma casa de campo é o objetivo de muitas pessoas. Só que, na ansiedade por ver tudo pronto ou por mero desconhecimento, os erros na construção acabam sendo bastante frequentes – e gerando prejuízos com retrabalho que poderia ser evitado.

Há, também, vários percalços e situações que atrasam a obra, e é possível se preservar com alguns cuidados e dicas. No artigo de hoje, descubra quais são os erros na construção mais comuns e fique atento!

Planejamento é fundamental para evitar erros na construção

Como a maioria das coisas na vida, um bom planejamento é essencial para evitar erros na construção de uma casa de campo. Procure saber sobre todos os profissionais que devem ser contratados, qual a função de cada um e como eles devem atuar em conjunto. Certifique-se de ter um responsável competente e experiente na supervisão para que tudo saia de acordo com o projeto. 

Além disso, evite correria: mais vale esperar um pouco mais para ter um serviço de qualidade do que levar a obra a toque de caixa e, depois, sofrer com os erros na construção. Lembre-se de que alguns podem ser irreversíveis. 

1 – Sondagem do terreno inexistente ou mal executada

A capacidade de suporte do solo só é conhecida através da sondagem do terreno, e é por meio dela que os cálculos sobre o peso da estrutura devem ser feitos. Quando a sondagem não existe ou é feita de forma inadequada, os erros na construção podem resultar em trincas, fissuras e rachaduras nas paredes e pisos, causados pelo afundamento do solo, que provocam os chamados recalques da fundação.

Um erro grave é quando há baixa em apenas uma parte da edificação, de forma mais pronunciada do que em outras. Nesse caso, há esforços estruturais não previstos, chamados de recalque diferencial, e que podem pôr toda a obra a perder.

2 – Caimento do piso inadequado

O nível de declive do piso é essencial para o escoamento da água de forma perfeita, evitando poças e/ou infiltrações. O percentual de caimento deve ser definido no projeto, assim como a orientação correta do sentido de vazão.

A eficiência desse declive, por outro lado, deve ser testada ainda durante a obra, para que sejam corrigidos quaisquer erros na construção, e isso pode ser feito com instrumentos simples, como o indicador de nível.

3 – Uso de tinta inadequada

Manchas, variações de cor e texturas inesperadas podem aparecer em curto prazo se a tinta utilizada não for adequada para o ambiente – interno ou externo, molhado ou seco etc.

É preciso respeitar as especificações de cada tinta e sua forma de aplicação indicadas pelo próprio fabricante. Tintas premium costumam ter mais durabilidade apesar de nem sempre render tanto quanto as comuns e de ser mais caras.

É bom lembrar que a aplicação de tinta não é uma questão meramente estética, mas também funcional, já que ela funciona como um agente preventivo contra a degradação do material empregado na obra pela ação do tempo e das intempéries. Assim, a repintura periódica pode requerer, também, o uso de impermeabilizantes. 

4 – Impermeabilização mal feita 

A falta ou má qualidade de impermeabilização é um dos mais comuns erros na construção e resulta em pisos e paredes com manchas, apodrecimento de alguns materiais, descolamento de reboco e de revestimentos, e até mesmo eventuais danos ao sistema de fundação.

Existe uma grande variedade de produtos impermeabilizantes disponíveis no mercado. Alguns devem ser incorporados à argamassa, outros aplicados diretamente sobre as superfícies já construídas. Cabe ao responsável pelo projeto determinar o melhor tipo, ou a combinação de vários, de acordo com as especificidades do terreno e do ambiente. 

5 – Subdimensionar as redes elétrica e hidráulica

Um erro na construção bastante frequente é o subdimensionamento das redes elétrica e hidráulica. É preciso levar em consideração que, cada vez mais, as casas, mesmo as de campo, possuem diversos eletrodomésticos e eletroeletrônicos. 

Além de ser ideal uma tomada a cada dois metros em cada cômodo, a fiação e a voltagem devem estar adequadas ao uso de diversos aparelhos simultaneamente, como ar-condicionados, chuveiros elétricos, televisores, games e computadores, além de geladeira, freezer, máquina de lavar roupa e eletrodomésticos menores.

Da mesma forma, a rede hidráulica deve levar em consideração o aumento do número de pessoas utilizando a casa devido a um possível crescimento na família, amigos etc., de forma a haver pressão suficiente em torneiras e chuveiros e o perfeito escoamento da rede de esgoto – o mau dimensionamento das tubulações e conexões gera perda de carga e pouca força na saída da água. 

Por outro lado, a planta deve prever o posicionamento correto da caixa d’água, que deve estar a uma altura suficiente para compensar a subtração de pressão da água durante o trajeto nas tubulações. Tanto o projeto hidráulico quanto o elétrico devem ser desenvolvidos por um profissional habilitado. 

E você, já teve problemas por conta erros na construção de uma casa de campo? Ficou com alguma dúvida? Escreva pra gente nos comentários e até a próxima.

COMPARTILHAR

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSOS CONTEÚDOS

EBOOK

Baixe nosso e-book com dicas essenciais para que você possa ter a sua Casa de Campo como sempre sonhou! São temas sobre como definir a planta do imóvel, quais profissionais contratar, como não errar na hora de construir e muito mais!

POSTS MAIS POPULARES

ACOMPANHE NAS REDES SOCIAIS

VIDA NA FAZENDA

Tudo o que você precisa saber para viver uma vida no campo com conforto e qualidade. Aqui, trazemos dicas sobre como planejar, construir, decorar e desfrutar do seu refúgio próximo à natureza.

RECEBA NOSSOS CONTEÚDOS